Fashion Rio: a opinião dos consultores sobre a moda masculina no Brasil: parte I

Cobrindo o Fashion Rio, tive a oportunidade de ficar bem próximo as personalidade dos mundo da moda brasileira, do premiado editor de moda Lula Rodrigues ao promissor repórter do Gnt Fashion Caio Braz. Assim, pude saber o que esse pessoal – com todo seu conhecimento e contato com o mundo fashion – tem a dizer em relação ao panorama da moda masculina no brasil atualmente. Nessa primeira parte da opinião dos editores sobre Moda masculina, O Cara Fashion entrevista Lula Rodrigues, Donata Meirelles e Gloria Kalil.



Lula Rodrigues (Moda Masculina – Caderno Ela)

“A identidade da moda brasileira começa com o Alexandre Herchcovicth, por ser o primeiro estilista que tem uma carreira com fundamento acadêmico. No Brasil, em termos de novidade, existe um triângulo: João Pimenta em São Paulo, o Rique (R. Groove) no Rio de Janeiro e Lindemberg Fernandes com o Dragão Fashion em Fortaleza. Temos também o Ronaldo fraga, que ao meu ponto de vista, é quem mais traduz poeticamente o espírito brasileiro com a moda que ele faz. Acredito que está nascendo uma moda masculina contemporânea brasileira, no momento em que o mundo está globalizado. Ao mesmo tempo em que a gente está falando aqui, você pode transmitir nossa conversa por podcast, e um cara lá na Indochina ou em qualquer lugar do mundo pode acompanhar. Não podemos mais falar em moda brasileira, moda francesa; é a moda do planeta Terra, as informações chegam via web. Hoje nós temos o Google, que é a nossa biblioteca de Alexandria, onde podemos encontrar qualquer tipo de informação relacionada a moda no mundo inteiro. Falar no panorama da moda masculina brasileira, é falar do panorama da moda masculina universal, planetária. As bainhas subiram lá, e subiram cá; a calça skinny pegou lá e pegou aqui; o color chino – que muita gente tinha dúvidas – pegou aqui e pegou lá. Portanto, a gente não tem que provar que é brasileiro mostrando “Bumba Meu Boi”, futebol e mulata. Podemos falar da Grécia, assim como vários estilistas europeus se inspiraram no Brasil. O Emilio Pucci por exemplo, fez uma coleção linda inspirada nos orixás; Christian Lacroix fez uma coleção maravilhosa que misturava as arlesianas da França com Oxum. Por que a gente não pode fazer o contrário? Está aí o Alexandre Herchcovitch, que fez uma coleção inspirada no futebol americano.”
Donata Meirelles (Vogue Brasil)

“Meu forte não é moda masculina, mas eu acho que o mercado está ficando mais aquecido, o brasileiro é muito bem informado e a qualidade está cada vez mais aumentando. Não só na moda masculina das marcas nocionais – que é uma coisa mais casual. Com as internacionais vindo para o Brasil, faz com que o mercado nacional masculino fique mais aquecido. E as fast fashion ajudam bastante, pois elas democratizam a moda para todo mundo, e homem adora fazer um bom negócio.”

Gloria Kalil (Chic)

“A gente viu pouca coisa de moda masculina, pouquíssimos desfiles inclusive. Acho que é uma moda que ainda não tem uma expressão tão forte. Temos um jeans aqui, uma sunga ali, mas ainda não tem uma coisa compacta que dê uma ideia clara do que vai ser a moda. Porém, um estilista que representa bem a moda masculina no momento atual no Brasil, é sem dúvida o Alexandre Herchcovitch.”

E vocês fashionistas, o que acham da situação atual da moda masculina no Brasil? Comentem, a opinião de vocês é tão importante quanto dos “grandões” aqui nos representando.

Comentários

  1. Jhonn William disse:

    Nossa o comentário do Lula Rodrigues foi incrível, e fato a moda masculina aqui no brasil, ainda esta caminhando bem lentamente, eu que estou me especializando no setor, vejo que ainda falta bastante clareza e definições no assunto.

Author

Fabiano Gomes

Fabiano Gomes Editor-Responsável

Formado em Biblioteconomia e Ciência da Informação (UNIRIO) atuou como bibliotecário até o seu limite. Cansado de buscar informação relevante de Moda Masculina em blogs e sites brasileiros, decidiu criar O Cara Fashion para suprir a própria necessidade.

Related